Cartas que escrevem a história

Pessoas trocavam cartas como forma de demonstrar amor e afeto, contar novidades sobre a vida, informar sobre morte, contar de viagens, entre outras coisas.

Nos Museus do Espírito Santo podemos observar várias cartas e documentos de diferentes épocas. O Museu do Colono guarda uma diversidade de documentos de pessoas e religiosos onde é possível notar a evolução do Português de antigamente até os dias atuais. Como forma de comunicação entre locais distantes do Brasil, no Museu há também diversas cartas escritas à mão, em que os familiares usavam para levar notícias e orientações sobre como poderiam manter o contato. 

Esses documentos mostram um pouco dos costumes de sua época, tais como corte de cabelo, vestimentas, escrita. Eles também mostram como as tecnologias foram evoluindo, pois em vários deles as imagens são pintadas, em outros as fotografias são em preto e branco. Através deles também é possível notar a forma como as pessoas eram retratadas para documento, como o clero era retratado, como as cartas escritas por pessoas comuns tinham a escrita diferente das escritas pelos padres, bispos e afins.

Já na Biblioteca Estadual do Espírito Santo é possível encontrar cartas escritas por Bispos e pelas suas Missões prestando contas de excursão, fazendo agradecimentos a população e etc. Esses documentos são riquíssimos e ajudam a contar a história da Igreja no Estado e a fé da população.

Por muito tempo, o meio que as pessoas tinham para se comunicar eram as cartas. Pessoas trocavam cartas como forma de demonstrar amor e afeto, contar novidades sobre a vida, informar sobre morte, contar de viagens, entre outras coisas. Ela teve um papel muito importante antes da invenção da internet, do computador e das redes sociais. 

Agora que já vimos sobre as riquezas que encontramos no acervo que compõem a Midiateca Capixaba, vamos ver como eles podem contribuir na área da educação.

Você sabia que a utilização de documentos no contexto educacional já é prevista pela BNCC? Ela fala sobre a importância da utilização e documentos em diversos contextos, como:

Língua Portuguesa: análise de documentos para levantamento de dados e informações de determinados fatos (EF67LP09);

História: utilização de documentos como fonte para elaborar questionamentos e interpretações sobre os mais variados contextos históricos (competência n.º 3 das competências específicas de história para o Ensino Fundamental); seleção e reunião de documentos pessoais para melhor compreensão sobre a comunidade em que vive, além de buscar interpretá-los como fonte de memórias e histórias no contexto pessoal, familiar escolar e comunitário (EF02HI04 / EF02HI05 / EF02HI09).

Ciências humanas e sociais aplicadas no ensino médio: utilização de documentos para a elaboração de hipóteses, argumentos e evidências relacionados a processos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais por meio da utilização de documentos históricos (EM13CHS103). 

Mas em termos práticos, como podemos utilizar esses itens no processo educativo? Vamos apresentar alguns exemplos. Em Língua Portuguesa, o professor pode solicitar que os estudantes busquem documentos familiares e a partir dos mesmos realizar atividades de análises das variações linguísticas, tornando a aula mais atrativa.

Já o aluno, por sua vez, pode enriquecer um trabalho escolar utilizando os documentos para contar a história de um determinado povo ou até mesmo como representação ilustrativa de algum recorte temporal. Como já mencionamos, é possível apresentar, por meio dos documentos, informações relacionadas aos costumes da época, por exemplo. 

Autores: Ricardo Aiolfi e Taciana B. de O. Pedrosa
BNCC: Fabíola Costa

NESTA CURADORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *